DALE CARNEGIE TRAINING
ENGAGING IDEAS
Um Guia para Líderes Criarem Comprometimento de Funcionários e Clientes

 

Tema do mês: Desenvolvimento de Liderança

Para manter-se no mercado competitivo atual suas estratégias de liderança são fundamentais. Como gestor, é seu trabalho manter seus funcionários engajados. Envolver seus funcionários ajudará você e sua organização a estar melhor preparado e a ter sucesso. Ter excelência em liderar e engajar funcionários, pode reduzir a rotatividade e promover a inovação e a produtividade. Esta edição do Boletim Informativo da Dale Carnegie Training concentra-se em ajudá-lo a desenvolver as habilidades de liderança necessárias para engajar sua força de trabalho.

 


 

Comunicar Para Persuadir
 

 

Um dos tipos mais comuns de comunicação empresarial é comunicar para persuadir. Desde representantes de vendas que precisam persuadir os clientes a gerentes de nível médio que precisam persuadir os trabalhadores e a administração, passamos quase todos os dias de negócios envolvidos em alguma forma de comunicação persuasiva. Não importa o nosso papel, melhorar a nossa capacidade de persuadir os outros é vital para o nosso crescimento na carreira. Comunicação eficaz para persuadir nos obriga a estar adequadamente preparados, ter clareza na ação que queremos que o nosso ouvinte tome, e capaz de fornecer uma razão convincente para fazer o que sugerimos. Dale Carnegie recomenda uma estrutura simples de três passos que podem melhorar significativamente a nossa capacidade de convencer um ouvinte. A fórmula fornece a estrutura para captar a atenção, construir credibilidade, eliminar o nervosismo, e chamar os outros à ação, e aumentar a probabilidade de que vamos obter resultados com os outros. A fórmula é a seguinte:

 

Incidente: Reviva, uma experiência pessoal marcante relevante ao ponto. Aristóteles disse: "O personagem do orador é um dos seus agentes mais eficazes de persuasão." Temos que ter credibilidade no nosso exemplo e evidências. Temos de ter conquistado o direito de compartilhar nosso exemplo ou dar instruções. Um incidente pessoal é uma maneira infalível para atrair a atenção favorável: envolve as pessoas, abre o canal para a persuasão, e fornece evidências a respeito de porquê vale a pena considerar nossa ideia. Na comunicação persuasiva, passamos a maior parte do nosso tempo, falando da situação e das evidências antes de pedir que o ouvinte faça algo.

 

Ação: Peça que o ouvinte tome uma única e específica ação. Muitas vezes presume-se que os ouvintes saberão o que fazer, uma vez que à eles são apresentados com evidência, aquilo que precisa ser mudado em seu modo de pensar ou a direção a seguir. A comunicação persuasiva é em vão caso não for explicado claramente o que deseja que eles façam. Outras vezes a ação é claramente transmitida, porém muita informação repassada, deixando-os confusos em relação a qual medida deverá ser priorizada. Uma persuasão eficiente implica uma transmissão simplificada da mensagem e a recomendação de uma ação clara a ser tomada.

 

Benefício: Enfatize claramente como o ouvinte irá se beneficiar com a ação recomendada. Mais uma vez, a comunicação deve ser clara, específica e direta. Deverá ser também baseada na realidade. Se o benefício fornecido parecer ser ‘bom demais pra ser verdade’, o ouvinte poderá duvidar. Se o que você estiver recomendando beneficiá-lo mais que os ouvintes, a sugestão parecerá manipulativa e gananciosa. Pois isso, considere o ponto de vista do ouvinte para ter certeza que a recomendação seja verdadeiramente do melhor interesse dele. Este tipo de abordagem será respeitada e permitirá que o ouvinte esteja mais aberto ao que você sugerir.

 

Comunicar com o intuito de persuadir é uma aptidão fundamental para se sobressair nas interações diárias no trabalho. O processo em 3 etapas da Dale Carnegie Training – Incidente, Ação e Benefício – fornece a oportunidade de obter aqueles resultados desejados vindo dos outros.

 

Ao demonstrar que você adquiriu o direito de determinar as direções a serem seguidas e está comunicando de uma posição de caráter sólido, você não somente será convincente, como também envolvente. Estes dois fatores são combinações determinadoras na capacidade de comunicar para persuadir.

 

 


 

 

Estilos de Liderança e Tendências

 

Quando você interage com alguém cujo estilo de liderança é similar ao seu, a comunicação flui com mais facilidade. No entanto, quando você trabalha com pessoas com estilo de liderança é diferente do seu, a comunicação e cooperação podem se tornar um desafio. Dale Carnegie uma vez disse que o elemento mais importante de se trabalhar com diferentes estilos de liderança é a flexibilidade – a nossa vontade e capacidade de enxergar através do ponto de vista da outra pessoa. Então, como determinar o seu próprio estilo de liderança, e mais importante, como trabalhar de forma eficaz com outras pessoas que possuem um estilo de liderança diferente?

 

Nenhum estilo de liderança é superior aos outros. Líderes eficazes devem encontrar maneiras de trabalhar com todos os estilos de liderança e salientar os aspectos positivos dos outros, minimizando os desafios associados aos diferentes estilos.

 

Os quatro principais estilos de liderança são:

 

Idealista: Indivíduos com estilo de liderança idealista têm facilidade em desenvolver o pensamento criativo, brainstorming e fazer perguntas abertas. Eles são intuitivos em relação à tomada de decisão, dando preferência em fundamentar os planos de ações em ideias criativas, opiniões e pessoas, em vez de fundamentá-las em fatos e análise. Eles gostam de ambientes dinâmicos, discussões subjetivas e pessoas energéticas. No entanto, não respondem bem a detalhes, estatísticas e minúcias.

 

Empreendedor: Indivíduos que possuem estilo de liderança empreendedor são voltados especificamente aos resultados e têm uma abordagem sensata e direta nas tomadas de decisões e nas relações interpessoais. Enxergam situações como desafios a serem resolvidos e querem resolver tudo de forma rápida e mais direta possível. São exigentes com si mesmos e criam grandes expectativas em relação aos outros. Não respondem bem a especulações, desperdício de tempo, ou a levar tudo muito ao lado pessoal.

 

Facilitador: Indivíduos que possuem o estilo de liderança de facilitador valorizam relações, dedicação e lealdade. São motivados por um ambiente de trabalho cooperativo e solidário, que valoriza o trabalho em equipe. Respondem bem ao encorajamento e à assistência, preferindo trabalhar com pessoas centradas em vez de trabalhar com pessoas com o estilo estritamente baseada em fatos. Não respondem bem à pressão ou ameaças.

 

Analista: Indivíduos que possuem o estilo de liderança de analista valorizam as abordagens sistemáticas e formais para a resolução de problemas e tomada de decisão. Têm facilidade em lidar mais com fatos e números do que com opiniões e emoções, e o que os levam a ser reservados e metódicos, em vez de calorosos e expressivos. Não respondem bem à agressividade ou ao desleixo.

 

Em vez de impor o seu estilo de liderança aos outros, você deve pensar e antecipar suas ações, a fim abordar os outros de maneira que vai ajudar-lhe a se sentirem confortáveis.

 

Algumas orientações-chave incluem:

 

Concentre-se nos resultados- Concentrar em resultados, muito mais que em personalidades, o permite apreciar melhor as diferenças e os pontos fortes que os outros possuem como um membro da equipe.

 

Regular as expectativas- Os outros podem agir diferentemente da maneira que você age, e a sua maneira não é necessariamente a melhor. Você deve deixar de lado qualquer tipo de individualismo e ajustar suas expectativas de acordo com as dos outros.

 

Dê um passo mais adiante- Você não pode simplesmente esperar que a outra pessoa irá mudar o estilo dela de agir. As chances que isso aconteça são remotas. A fim de contornar essa situação e minimizar as diferenças entre os vários estilos de liderança, você deverá estar disposto a ir mais além que a outra pessoa.

 

 

 


 

 

Usando o Reforço Positivo Para Motivar os outros

 

Funcionários engajados têm a probabilidade de serem mais produtivos e menos propensos a se desligarem da empresa. Uma das maneiras mais negligenciadas e simples de engajar os funcionários é expressar sincera e honesta apreciação por seus empenhos. Expressando apreciação pela contribuição de seus funcionários, você se beneficiará tanto quanto eles. O modo com o que você os trata é reflexo daquilo que você pensa sobre eles. Treine seu cérebro de maneira positiva, assim você descobrirá o quão fácil é trabalhar colaborando com os outros, mesmo que eles estejam em uma fase negativa.

 

Reconhecer os pontos fortes dos outros pode ajudá-lo a conviver com pessoas difíceis. A efetividade social deles é estabelecida pela personalidade de cada um. No momento em que um indivíduo se torna crítico, hostil ou temperamental, é devido a advertência causada em relação à sua personalidade. Como gestor, você é o responsável por criar um ambiente saudável e construtivo. Esse tipo de ambiente pode exigir que gestores trabalhem diretamente com seus funcionários e incitar a mudança de suas atitudes. Então, na próxima vez que você fizer um elogio, em vez de apenas dizer “bom trabalho”, conceda um comentário positivo com os seguintes atributos:

 

  • Identifique uma característica que você respeita, admire ou aprecie no indivíduo.
  • Expresse sua admiração por essa característica específica.
  • Defenda sua opinião sobre esta característica específica com evidências, por exemplo com algo que você tem observado a pessoa fazer.

 

Ao fazer comentários positivos, você pode conseguir desenvolver ou alterar construtivamente o conceito que uma pessoa tem de si mesma. Assim, seu ambiente de trabalho será preenchido com funcionários mais otimistas e engajados.

 

 

 

 

 


Copyright © 2014 Dale Carnegie & Associates, Inc. All rights reserved.